terça-feira, 18 de agosto de 2015

Valorize os verdadeiros amigos!!!

Boa noite amados!!!Quantas decepções já tive nessa área da amizade!!! Não tenho nem como contar, porque realmente foram muitas.Sempre sofri com isso por não ter uma turma onde pudesse confiar em todos sem me decepcionar. Convivi com isso por anos e anos!!!!Ufa !!! Graças a Deus aprendi a não dar tanta importância para certas coisas, a opinião de certas pessoas, e, com isso, a dar mais valor ao que Deus pensa de mim, a ajuda que posso ter com Deus sem me pedir nada em troca ou me decepcionar...Amados, por outro Deus já me enviou grandes amigos que os chamo de anjo sem asas. São pessoas que se mostraram verdadeiros amigos, pessoas que sem eu imaginar me estenderam as mãos, e, digo, os pés também kkk.
Deus envia os anjos certos, no momento certo...Ele realmente responde as nossas orações prontamente...
Ele conhece nossas necessidades e por isso amados não devemos nos preocupar com o dia de amanhã...
Devemos tomar cuidado com pessoas que nos abraçam, se aproximam de nós e se dizem amigas, mas na verdade são pessoas inimiga que nos fazem sofrer e só querem nosso mal...
Infelizmente não podemos contar, confiar em todos que nos dá um largo sorriso, mas devemos orar sempre a Deus para nos livrar de pessoas com segundas intenções, pessoas maldosas e falsas...
O melhor amigo que podemos confiar sem medo é o Senhor Jesus!!! Nele podemos confiar!!!
Valorize os amigos fiéis em sua volta!!! Eles são raros!!!
Deus os abençoe grandemente!!!


segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Jesus é Educado!!!

Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo.
Apocalipse 3:20

Bom dia amados!!!!
Que a doce paz do Senhor Jesus esteja sempre com todos vocês!!!
Amados, muitas pessoas acredita quem Jesus tem a obrigação de abençoá-las, e, quantas vezes não ouvimos assim: Por que Deus permitiu isso, por que Deus fez aquilo? Mas nunca se passa pela cabeça o porque aconteceu tal situação, porque aconteceu de perder algo ou alguém. No dia-a-dia Deus nunca é lembrado, mas quando algo dá errado Ele é o primeiro a ser culpado.
Se o dinheiro esperado não veio, Deus é culpado, se ficou doente, Deus é culpado, se o problema na família apareceu Deus é culpado, mas na hora de agradecer por algo bom que acontece nem sempre Ele é lembrado.
Amados, temos que compreender uma coisa: nosso Deus é educado, Ele não vai obrigar você a procurá-lo, não vai obrigar você a ser grato, não vai obrigar você a buscá-lo todos os dias, jamais fará isso, mas sempre que você precisar Ele sempre estará de braços abertos porque Ele nos ama. Como diz na palavra acima: Se você ouvir e abrir a porta do seu coração para Ele, ai e somente ai Ele entrará, cuidará de você, te livrará de muitas coisas, e ceará com você. Amados, Deus não obrigada ninguém a nada, mas também no momento de julgá-lo não terá como se redimir, compreende?
Vejam o que a palavra de Deus nos diz:

 "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade." 
Mt 7.21-23

Amados, temos que buscar a Deus, permitir Sua presença em nossa vida hoje, todos os dias, agradecer, orar, buscar, querer está perto de Deus, fazer Sua vontade porque a palavra de Deus está e sempre será cumprida.
Muitas pessoas dizem assim: eu tenho Deus no coração, mas não oram, não buscam ter comunhão com os irmãos, somente dizem que O tem no coração e acham que isso é suficiente, mas amados analisem com cautela: Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
Não adianta apenas dizer Senhor, Senhor, ou tê-lo no coração e continuar vivendo erroneamente, fora dos caminhos do Senhor e tudo bem.
A palavra diz que somente quem fizer a vontade do Pai poderá entrar no Reino dos céus...
Pensem nisso amados e busquem a Deus todos os dias, agradeçam a Ele por tudo e abra a porta do seu coração para Ele fazer morada.
Sua vida nunca mais será a mesma com Jesus no mesmo barco que você.
As dificuldades sempre estarão por perto, mas Jesus nos ajuda a passar por todas elas, sempre....
Deixe Ele entrar verdadeiramente em seu coração e orem assim:

    "Deus, reconheço que não tenho vivido minha vida para Ti até agora. Tenho vivido para mim mesmo e isso é errado. Preciso de Ti em minha vida; eu Te quero em minha vida. Reconheço o trabalho completo de Teu Filho Jesus Cristo em ter dado Sua vida por mim na cruz do Calvário. Desejo muito ter o perdão que tens oferecido a mim tão livremente através do Seu sacrifício. Entre na minha vida agora, Senhor. Faça morada no meu coração e seja meu Rei, meu Senhor e meu Salvador. De hoje em diante, não serei mais controlado por meu pecado, ou pelo meu desejo de agradar a mim mesmo, mas seguirei a Ti todos os dias da minha vida. Esses dias estão nas Tuas mãos. Por isso eu oro, no nome precioso e santo de Jesus, amém."
      fonte: http://www.allaboutgod.com/


        "Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo." 
        Romanos 10:9


sábado, 15 de agosto de 2015

Mãos


"Abre a sua mão ao pobre, e estende as suas mãos ao necessitado" Provérbios 31:20




Recebi no e-mail e achei por bem compartilhar com vocês:

MÃOS 
Há mãos que sustentam e mãos que abalam.
Mãos que limitam e mãos que ampliam.
Mãos que denunciam e mãos que escondem os denunciados.
Mãos que se abrem e mãos que se fecham
Há mãos que afagam e mãos que agridem.
Mãos que ferem e mãos que cuidam das feridas.
Mãos que  destroem e mãos que edificam.
Mãos que  batem e mãos que recebem as pancadas por outros
Há mãos que apontam e guiam e mãos que desviam.
Mãos que são temidas e mãos que são desejadas e queridas.
Mãos que dão arrogância e mãos que se escondem ao dar.
Mãos que escandalizam e mãos que apagam os escândalos.
Mãos puras e mãos que carregam censuras.
Há mãos que escrevem para promover e mãos que escrevem para ferir.
Mãos que pesam e mãos que aliviam.
Mãos que operam e que curam e mãos que "amarguram".
Há mãos que se apertam por amizade e mãos que se empurram por ódio.
Mãos furtivas que traficam destruição e mãos amigas que desviam da ruína.
Mãos finas que provam dor e mãos rudes que espalham amor.
Há mãos que se levantam pela verdade e mãos que encarnam a falsidade.
Mãos que oram e imploram e mãos que " devoram" .
Mãos de Caim que matam.
Mãos de Jacó que enganam.
Mãos de Judas que entregam.
Mas há também as mãos de Simão, que carregam a cruz,
e as mãos de Verônica, que enxugam o rosto de Jesus. 
Onde  está a diferença ?
Não está nas mãos, mas no coração.
É na mente transformada que dirige a mão santificada, delicada.
É a mente agradecida que transforma as mãos em instrumentos de graça. 
Mãos que se levantam para abençoar,
Mãos que baixam para levantar o caído,
Mãos que se estendem para amparar o cansado.
São como as mãos de Deus que criam, que guiam,  que salvam; que nunca faltam.

Existem mãos ... e mãos ... 
As tuas, quais são? 
De quem são? 
Para que são? 

Desconheço o Autor 
Colaboração de Um Amigo de Deus Juarez



sexta-feira, 14 de agosto de 2015

A importância de crer!!!


Amados boa noite!!!
Essa mensagem recebi de uma amiga por e-mail e achei interessante compartilhar. Espero que gostem:

"Mas eu confio em ti, ó Senhor; e digo: Tu és o meu Deus" (Salmos 31:14).



Poussin, Nicolas (1650) - Cristo Cura o Cego - Christ Healing the Blind



Um poeta e um artista examinavam, juntos, uma pintura de Poussin, retratando a cura dos dois cegos de Jericó. O artista perguntou: "O que lhe parece a coisa mais notável nesta pintura?" O poeta respondeu: "Tudo na pintura é excelente. A forma dada a Cristo, as pessoas agrupadas, a expressão dos rostos, tudo". O artista pareceu achar o toque mais importante em outro lugar. Apontando para os degraus de uma casa no canto da tela, ele disse: "Você vê uma bengala descartada ali?" "Sim, mas o que isso significa?" "Meu amigo, um cego estava sentado naqueles degraus, com a bengala na mão. Mas quando ele ouviu que Cristo se aproximava, estava tão certo que seria curado que ele deixa sua bengala jogada lá, pois, cria que não precisaria mais dela. Ele apressou-se em direção ao Senhor como se já pudesse ver."


Como seria bom se todos nós tivéssemos a fé daquele cego! Deixaríamos de nos queixar de tudo, confiaríamos mais nas promessas de Deus, entenderíamos que tudo é possível para o Senhor e que a nossa bênção viria a qualquer momento. Não haveria tanta angústia e as aflições que experimentamos seriam muito menores. Confiar no Senhor não é apenas lhe pedir coisas, mas crer, de antemão, que seremos atendidos naquilo que for melhor para nós.
Crer é saber esperar, é receber um não da mesma forma que recebemos um sim, é caminhar em direção ao nosso sonho mesmo antes de vê-lo concretizado. Crer é agradecer ao Senhor por Seus cuidados, por Sua amizade, por Sua mão estendida toda vez que tropeçamos, mesmo que isso nos passe despercebido.
O Senhor não falhará jamais. Eu creio. Crerei sempre!
Que Deus te abençoe hoje e sempre.

Recebido de:  Lilian 

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

A verdadeira paz!!!

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." João 14.27

Alguém já disse que existe um espaço no coração do ser humano que somente pode ser preenchido pela Divindade. Enquanto não for devidamente preenchido, o homem sofre, sente o vazio e sente-se vazio. Portanto, o homem sem Deus é um ser vazio, que não possui no seu interior a Fonte inesgotável de amor, paz e vida abundante.

Muitos tentam preencher esse espaço com um fim de semana alegre, mas já tiveram muitos fins de semana cheios de "alegria”, porém continuam vazios. Exteriormente, podem parecer sorridentes, felizes, de bem com a vida. Por dentro é um trapo, tal qual um "sepulcro caiado", como falou Jesus: por fora, beleza; por dentro, podridão.

O homem foi criado para viver em paz, em paz consigo, em paz com seu Criador. O homem deseja a paz com a família, com os amigos, na comunidade em que vive. Muitos desejam, mas não a buscam, ou a buscam de forma inconveniente. Querem a paz, mas são desobedientes, não cumpridores de seus deveres para com o próximo. Querem a paz, mas se rebelam contra as autoridades constituídas, não cumprindo suas obrigações sociais. Desejam a paz, mas são infiéis na vida conjugal. Desejam a paz, mas violentam seu próprio corpo com alucinógenos. Enfim, querem paz, mas fazem guerra.

A paz verdadeira não se consegue mediante a posse de recursos financeiros ou imobiliários. Há mais suicídio dentre a classe média alta, entre povos de elevado poder aquisitivo, do que entre os da classe pobre. Esses suicídios são gerados por depressão e desespero.

Muitos conhecem a Palavra de Deus, porém resolvem viver no "faz de conta", enganando a si próprios com uma parafernália de objetos à sua volta. Muitos até tentam "comprar" a paz fazendo algumas boas obras, lendo a filosofia dos filósofos, confiando na própria energia, vitalidade, inteligência, ou lendo livros sobre "auto-ajuda". Ledo engano. A paz verdadeira, como uma pérola de grande valor, só pode ser encontrada na Pessoa do Senhor JESUS. Vejam o que Ele disse:

"Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." João 14:27

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei." Mateus 11:28


Jesus está convidando os que estão em depressão, os que já se cansaram de remar contra a maré da vida; os vazios de coração, os desesperançados, os pobres de espírito. 
Ele faz um convite e uma promessa, a promessa de Paz para o coração conturbado. 
Resistir ao Seu chamado significa continuar sem paz. 
A decisão é sua.

Pr. Airton Evangelista da Costa - Colaboração de Uma Amiga de Deus

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

10º mandamento: Ela tem bons olhos

BELEZA DA MULHER QUE AGRADA A DEUS
Valdenira Nunes de Menezes Silva
"Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei..." (Jeremias 1:5)
"Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade; E estais perfeitos nele, que é a cabeça de todo o principado e potestade..." (Colossenses 2:9-10)
I- INTRODUÇÃO
Todos os dias, nos meus momentos de comunhão com o Senhor, devo agradecê-Lo e louvá-Lo "porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito" (Salmo 139:14). O meu rosto, os meus braços, os meus cabelos... foram feitos pelo Senhor da maneira que Ele quis fazer. E eu, como filha que ama ao Pai, só tenho que agradecê-Lo dizendo:
"Obrigada, Pai, por ter-me criado do jeito que sou - perfeita a Teus olhos. Que, com a Tua ajuda, eu consiga transformar o meu interior a fim de que eu possa, realmente, ser bela a Teus olhos. Que eu possa ler mais a Tua Palavra, meditar nela e orar. Transforma-me numa mulher de bom coração, de palavras doces e suaves nos lábios, que encoraja, tem compaixão, é prestativa, ajudadora e fiel em tudo. Que Tu passes para mim a verdadeira beleza que vem de Ti e que ela permaneça em mim até o dia em que quiseres me levar para a mansão celestial que estás preparando para mim, junto a Ti, por toda a eternidade. Amém!"
É natural que nós, que somos o templo do Espírito Santo, nos preocupemos em cuidar do nosso corpo. Devemos fazer exercícios, nos alimentar de maneira correta, enfim, ter um corpo saudável. Porém existe uma preocupação com o corpo que não é saudável: a obsessão com a aparência.
Deus, em Sua Palavra, fala sobre a aparência e beleza que agradam a Ele.
II- DICAS QUE DEVEM SER SEGUIDAS POR NÓS - MULHERES DE DEUS
1) "A verdadeira beleza é a interior" - Que nós mulheres abramos os nossos olhos para ver o que é, realmente, ser bela aos olhos de Deus.
Que Ele nos mostre qual é o tipo de beleza que Ele quer que tenhamos.
Que Ele possa transformar meu coração e minha vida para que eu possa me tornar bela a Seus olhos.

Sabemos que Deus está interessado na minha beleza interior e não no meu exterior.
O conceito de beleza de Deus é, completamente, diferente do meu, pois é Ele mesmo que me diz em Isaías 55:8-9 que: "Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos." Deus pensa de modo diferente do meu.
Ele, sendo o nosso Criador, nos fez belas a Seus olhos.
Mas como foi que Ele nos fez?

a) Ele mudou o nosso interior - Antes de aceitarmos Cristo como nosso Salvador pessoal, estávamos mortas, separadas dEle por causa dos nossos pecados. Mas, a partir do momento que nós nos reconhecemos pecadoras, caminhando para o inferno literal, e aceitamos o sangue que Ele verteu no nosso lugar, tornamo-nos vivas juntamente com Ele.
Agora, somos Sua obra-prima!
Efésios 2:10 nos diz: "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas."
Somos, então, lindas e belas aos olhos do nosso Deus.

b) Ele nos transformou em uma nova criatura - Nós não somos mais aquelas que éramos antes de aceitarmos Cristo como Salvador.
A Bíblia em 2 Coríntios 5:17 nos diz: "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo."
Agora, já não mais estamos olhando para trás, porque tudo se fez novo. Agora, nós olhamos com outros olhos e nosso alvo é a eternidade e não as coisas aqui da terra.
Somos, então, belas aos olhos de Deus.
E (sabe de uma coisa irmãs?) "tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação" (2 Coríntios 5:18-19).
Somos, então, lindas e belas aos olhos do nosso Deus.

c) Fomos criados de um modo assombroso e maravilhoso (Salmo 139:14) - Eu e você somos obra de Deus. Somos perfeitas a Seus olhos. Não existe nada mais belo aos olhos do nosso Deus do que a mulher que zela, que cuida do seu interior dando o melhor do seu tempo lendo a Palavra de Deus; dando o melhor do seu tempo memorizando versículos da Palavra de Deus; dando o melhor do seu tempo orando ao Senhor, tendo comunhão com o seu Criador.
Deus nos conhece e conhece o desejo do nosso coração que deve ser: tornar-se bela a Seus olhos.
Que Ele possa ser o Lapidador do nosso coração, transformando-o numa fina jóia em Suas mãos.

Irmãs, não reclamemos da nossa aparência exterior, antes nos preocupemos em trabalhar o interior para agradar ao nosso Deus, pois fomos feitos à Sua imagem e semelhança e foi Ele o oleiro que nos transformou em vasos raros e preciosos, colocando em nós o selo da Sua aprovação.
Quem sou eu, ou quem é você para reclamarmos de Deus?
Precisamos nos conscientizar de que somos lindas e belas aos Seus olhos.

2- "A verdadeira beleza é realçada pelo crescimento espiritual" - Assim como o exercício físico é importante para o nosso corpo, o ler e o reler a Bíblia, diariamente; o conversar diário com o Senhor (através da oração), o memorizar versículos da Palavra de Deus, o obedecer ao que Ele nos diz na Sua Palavra fazem bem ao nosso espírito. Agindo assim, eu cresço espiritualmente e me torno bela interiormente.
O crescimento espiritual é, realmente, muito bom para o nosso espírito.
Provérbios 31:25 diz que "a força e a honra são seu vestido..."

A mulher cujo interior é belo, é jóia rara, deixa transparecer, através da sua vida, um brilho raro que é visto por todas as pessoas. É algo que vem do seu interior e é mostrado no exterior.
"Como alguém já expressou, é o 'tratamento de beleza' da devoção e da profunda espiritualidade que as ajuda - e a nós - a se tornarem verdadeiramente adoráveis. É a beleza da 'paciência, da bondade e da alegria' com o caráter 'suave, modesto que ilumina a face, e que não podem ser imitados pelo melhor produto cosmético ou pela jóia mais rara do mundo'."
Ter beleza interior é tudo que nós mulheres devemos almejar em nossa vida.
3- "A verdadeira beleza é uma questão do coração." - Vejamos dois versículos da Palavra de Deus que podem nos orientar nesta área.
"Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do Senhor, que o inclina e a todo o seu querer." (Provérbios 21:1)

"O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura dos vestidos; Mas o homem encoberto no coração, no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus." (1 Pedro 3:3-4)
O primeiro versículo diz que o coração do rei está na mão do Senhor e que Ele pode mudá-lo. O meu e o seu também estão. Há esperança para nós que queremos, a todo custo, mudar o exterior. O mundo ensina que ser bela é ter o corpo sarado e ser magra tipo manequim. Muitas de nós, mesmo mulheres de Deus, crentes, queremos entrar "na onda" de cirurgias plásticas, para tirar os excessos; de lipoaspiração, também para jogar para bem longe de nós as gordurinhas extras; de botox, para nos deixar mais jovens; de....desagradando ao nosso Criador, dizer: "Ah, Deus, o Senhor deu umas erradinhas e estou tentando Lhe dar uma mãozinha para ficar com uma aparência mais bonita, mais jovem e mais perfeita!"
Irmã, Deus nos fez, exatamente, do jeito que tínhamos que ser. Com certeza, se tivéssemos nascido com um corpo de manequim, alta, de rosto perfeito, estaríamos em um patamar diferente do que estamos agora. Provavelmente, não estaríamos necessitando de Deus, seríamos auto-suficientes - porém perdidas, sem direção, caminhando para o inferno eterno preparado para o diabo, seus anjos e aqueles que escolheram segui-lo.

"Obrigada, Senhor, porque me criastes do jeito que sou!"
O segundo versículo, na verdade, não nos está proibindo de cuidarmos do nosso exterior. Apenas, devemos valorizar mais o interior e termos o cuidado de não ficarmos obcecadas com nossa aparência exterior.
Cuidado, irmã! Quando estamos nos achando feias exteriormente, provavelmente, isto é o reflexo do que existe no nosso interior.

Como aprendemos que o Senhor olha para o coração, então procuremos descobrir o que é precioso a Seus olhos.
A Bíblia nos ensina, em várias passagens, como nos tornar belas interiormente, portanto sigamos estes sábios conselhos, a fim de que atinjamos o alvo que irá agradar a nosso Deus e Pai:
* Revistamo-nos do novo homem (Efésios 4:24).
* Sejamos mulheres de coração bom, misericordioso e perdoador (Efésios 4:32).
* Sejamos mulheres santas, humildes, mansas e longânimes (Colossenses 3:12).
* Sejamos mulheres de espírito manso e quieto (1 Pedro 3:4).

Resumindo: Tenhamos em nosso coração todas as características do fruto do Espírito: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança (Gálatas 5:22).
Que possamos afastar de nossos corações a inquietação e a preocupação com a nossa aparência exterior. Que Deus possa colocar em seu lugar a certeza de que somos uma obra dEle, uma nova criatura, uma mulher criada de modo perfeito e maravilhoso.
Que nos transformemos em mulheres virtuosas, boas, doces, amáveis, encorajadoras, pacientes, cheias de compaixão e prestativas.
Que a cada dia, possamos honrar ao Senhor e agradecê-Lo pelo que somos e pelo que Ele irá fazer por nossa vida , transformando-nos em "uma mulher segundo o Seu coração" e "bela a Seus olhos".
-------------------------------------
Valdenira Nunes de Menezes Silva

DE UM MODO MARAVILHOSO FUI FEITA
Valdenira Nunes de Menezes Silva


(Segunda aula)

"Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada" (Provérbios 31:30).
I - Introdução
Já aprendemos que a beleza que, realmente, tem valor aos olhos de Deus, é a beleza interior que "é realçada pelo crescimento espiritual e é uma questão do coração".
Mas, apesar de nos esforçarmos para agradar ao Senhor procurando ter um interior belo a Seus olhos, não podemos ignorar que existe também a beleza exterior que tem que ser cuidada.

II - DICAS QUE DEVEM SER SEGUIDAS POR NÓS - MULHERES DE DEUS (continuação)
4) "A beleza é também exterior." - Como filhas do Rei também devemos observar o nosso exterior, sabendo que ele é um reflexo do que existe dentro de nós. Só poderá existir uma beleza exterior que agrade a Deus e aos homens se o interior for belo aos olhos de Deus.
Mas o que diz a Palavra de Deus a respeito deste assunto? Que atributos devo ter para agradá-Lo?
* Modéstia - Esta é uma qualidade que uma mulher de Deus deve ter não só no seu vestir, como no falar, como, também, no comportamento.
Certo estudioso disse: "Uma aparência respeitável e honrosa reflete uma mulher de vida interior temente a Deus."
O vestir de uma mulher de Deus, reflete o que ela tem em sua alma, em sua mente e em seu coração.
1 Timóteo 2:9 nos diz "que do mesmo modo as mulheres se ataviem em trajes honestos, com pudor e modéstia..." (o grifo no versículo é meu).
Se eu quero agradar a Deus, devo me vestir de modo adequado, com aparência respeitável, sem me sentir bem porque estou, por exemplo, mostrando um pedacinho da minha barriga sarada (ou não), igual às "mulheres modernas". Devo me vestir com decência. É assim que Deus quer que seja o nosso exterior.

* Propriedade - Provérbios 31:30 diz: "Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada."
Se eu quero agradar ao Senhor, se desejo ser louvada, tenho que temê-Lo, obedecê-lo.
Quando em 1 Timóteo Ele diz que devemos nos ataviar com pudor e modéstia, significa que devemos fazer exatamente como Ele diz, pois aí nós temos uma ordem a ser obedecida.
Podemos dizer, então, que: Propriedade é igual a pudor + modéstia. É isto que temos que ter no nosso exterior.

* Moderação - A mulher que ama ao Senhor e quer agradá-Lo deve ser vestir moderadamente.
Vejamos o que disse o pastor Dr John MacArthur em parte de um de seus estudos sobre o vestuário da mulher:

"Como uma mulher deve discernir a linha entre o vestuário adequado e o vestuário para ser o centro das atenções? A resposta começa com a intenção do coração. Uma mulher deve examinar os motivos e objetivos do modo como se veste. Sua intenção é mostrar a graça e a beleza de sua feminilidade? É mostrar seu amor e devoção a seu marido e sua bondade para com ele? É revelar um coração humilde devotado à adoração a Deus? Ou é chamar a atenção para si própria, e ostentar sua riqueza e beleza? Ou pior, tentar seduzir os homens sexualmente? Uma mulher que prioriza a adoração a Deus considerará cuidadosamente o modo como está vestida, porque seu coração ditará seu guarda-roupa e a sua aparência."
Quando você se arrumar para sair, olhe no espelho e faça a você mesma as seguintes perguntas:
* Esta roupa que estou usando honra ao Senhor?
* Será que vou atrair olhares masculinos com esta roupa que estou usando?
* Esta minha roupa não é luxuosa ou espalhafatosa demais?
* Será que não estou exagerando com tantas jóias?

III - CONSELHOS PRÁTICOS DE BELEZA
Sabemos que para Deus o que realmente é importante é o nosso interior e que o exterior é o reflexo do que temos interiormente. No entanto, como somos representantes do Senhor aqui na Terra, é necessário também que cuidemos do nosso exterior.
Vejamos alguns passos que devemos seguir a fim de que o mundo nos veja como mulheres belas aos olhos de Deus e belas aos olhos do nosso marido:

a) Relativos ao vestuário - Ao estudarmos a Palavra de Deus, vemos que algumas mulheres do Velho Testamento se adornavam para seus maridos. Dentre tantas, podemos destacar:
. A rainha Ester que se vestiu com trajes reais (Ester 5:1).
. A mulher virtuosa que se vestiu de seda e de púrpura (Provérbios 31:22).
. A amada de Cantares de Salomão que usava colares no pescoço, enfeites de ouro e recebeu elogios do seu amado (Cantares 1:10-11).

Não existe nada de errado em se adornar para agradar ao marido ou se tornar bonita para ele. Devemos evitar os exageros que desviam a atenção para o que realmente é importante: o seu rosto, o seu vestir discreto, a sua limpeza. O mais importante é você "ser um pouco mais discreta que os outros" e não parecer um pouco pior. Você pode ser elegante sem exagero.
Você, no seu modo de vestir e de se adornar, está procurando agradar a Deus ou aos homens?
Você espera a aprovação dos outros ou a aprovação de Deus com relação ao seu vestuário?

Mateus 5:16 nos diz: "Assim resplandeça a vossa luz diante do homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus."
b) Relativos ao arrumar-se - É fundamental que nós mulheres nos esforcemos para termos uma aparência agradável porque, afinal de contas, somos filhas do Rei.
Você, quando se levanta pela manhã, pensa em lavar o rosto, arrumar os cabelos, colocar uma roupa limpa, sem manchas, engomada, sem mau odor? Você faz tudo isto para ficar linda para seu marido, para seus filhos?
Você se arruma quando vai buscar seus filhos na escola? Faça com que eles sintam orgulho de você e não vergonha (por causa do seu desmantelo).

Arrume-se! Vista-se bem! Com certeza, seu marido e seus filhos se orgulharão de você.
c) Relativos ao asseio pessoal - É muitíssimo importante esta área de nossa vida.
No livro de Provérbios 27:9, a Bíblia nos diz: "O óleo e o perfume alegram o coração." O cheirinho de sabonete e de perfume são agradáveis e revela que alguém dedicou parte do seu tempo para se arrumar.

d) Relativos à melhoria - Somente o nosso orar diário ao Senhor, a nossa leitura bíblica diária, o nosso constante obedecer a Deus, a nossa decisão de colocá-Lo em primeiro lugar em nossa vida é que fazem com que a beleza do nosso Deus brilhe através de nós e que haja uma melhoria em nossa beleza exterior.
Não sejamos, irmãs, mulheres fúteis cujas belezas exteriores ultrapassam o que deveriam existir em seus interiores.
Que nosso coração esteja adornado com a beleza de Cristo e que não nos esqueçamos de Provérbios 31:30 que diz: "Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada." Amém!
------------------------------------------
(Estudo parcialmente baseado no livro "A Sabedoria de Deus na Vida da Mulher" de Elizabeth George)

Fonte:https://www.facebook.com/Casamento-no-altar-de-DEUS-469797479724324/timeline/

terça-feira, 11 de agosto de 2015

9º mandamento: Ela é sensata

“Abigail – Uma Mulher Sensata
Parte 1″ por Pr. Edson Azevedo
by Roberta Macedo da Bíblia
Meu nome é Abigail e tenho uma história para contar a todas as pessoas, principalmente às mulheres, a fim de acompanharem tudo quanto me sucedeu na vida, para que tomem lições de como se deve proceder bem, principalmente em situações adversas, pois sei que a vida é muito dura e que nós mulheres precisamos estar muito perto do Senhor, a fim de minimizar os efeitos da maldade humana que nos acomete. Eu me sinto muito mais encorajada a contar a minha história porque Deus achou por bem registrá-la no livro sagrado dele – a Bíblia – para ficar para a posteridade. Assim, quero enfocar alguns aspectos da minha vida que julgo importantes para a edificação de todos.
Meu nascimento e criação – Sou uma mulher judia. Nasci dentro da aliança de Deus com o nosso pai Abraão. Além de ser sua descendente segundo a carne, sou também sua descendente segundo a fé. Um dos meus maiores privilégios é ter tido pais piedosos, que me criaram segundo as prescrições de Deus, conforme contidas em Deuteronômio 6.6-9. Lembro-me que ainda na tenra idade meus pais me conduziam pelos caminhos do Senhor. Foi em casa mesmo onde cursei o primário, colegial e universidade, e os meus mestres foram meus pais. Em casa, eles me ensinavam os caminhos do Senhor, suas leis, seus estatutos, ajudando-me a decorar todas as palavras do Senhor. Quando papai estava trabalhando, mamãe me perguntava sobre a lei do Senhor, a ver se eu já tinha decorado, e esse era um exercício contínuo lá em casa, muitas vezes ao dia.
Lembro-me que ao acordar, já via minha mãe ao meu lado, na cama, conduzindo-me a cantar um salmo de louvor a Deus; depois ela fazia uma oração e então começávamos o dia. Papai já tinha saído muito cedo para o trabalho, o dia ainda estava escuro. Mas à tardinha, quando ele retornava, chamava-me e, então, me perguntava como tinha sido o meu dia, e aí começava uma sessão de perguntas e respostas sobre a lei do Senhor, sobre os seus atos em libertar os nossos pais do Egito, sobre as suas obras maravilhosas, e eu fui absorvendo toda aquela atmosfera divina dentro de casa. Aos cinco ou seis anos eu já era capaz de reproduzir muitos atos portentosos realizados por Deus a favor do seu povo, e aquilo me enchia de prazer e também de temor pelo meu Senhor. À medida que fui crescendo, as lições foram se intensificando e meus pais sempre apertavam comigo para que eu soubesse cada vez mais a fundo os preceitos de Deus. Na minha pouca idade, eu não poderia imaginar que aquilo viria a me dar tanto lucro no futuro, quando as dificuldades da vida me apertariam com as suas circunstâncias. Tudo isso se tornou uma maravilha prática na minha vida, pois eu aprendi a respeitar o próximo, seus direitos, os meus deveres, a honra devida às autoridades, a reverência devida a Deus, e tudo aquilo foi construindo o meu caráter, de tal maneira que, mesmo ainda muito jovem, aos doze ou treze anos, eu já tinha uma maturidade bem considerável e era muito amada pelos meus pais e familiares em geral, fazendo-me lembrar das palavras do salmista: “tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, porque os teus testemunhos são a minha meditação” [Salmo 119.99]. De fato, ao me deitar, eu ficava meditando em como a vida vivida segundo os mandamentos do Senhor era boa de ser vivida. Eu me alegrava no Senhor e esperava sempre nele.
Meu casamento e início da vida conjugal – Um dia meus pais decidiram que eu deveria casar, pois, segundo eles, eu já estava na idade de ser dada a um homem da aliança [eu e todas as moças do lugar fomos instruídas que só deveríamos casar com rapazes que temessem a Deus, que fossem da aliança, que fossem do povo santo, pois essa era a vontade de Deus]. Meus pais me julgaram apta tanto fisicamente, como no caráter e maturidade (e aqui preciso dizer que eram gritantes as diferenças entre os jovens da aliança e os jovens cananeus – os nossos vizinhos, povos que não eram da aliança – conforme ouvíamos falar; enquanto aos 17 ou 18 anos nós já estávamos com o caráter formado, com noção completa dos nossos direitos e deveres para com Deus e para com o próximo; os jovens cananeus eram dispersos e segregados, sem conhecer limites de coisa alguma, onde cada qual vivia pela sua própria cabeça e pelo mau exemplo dos mais velhos).
Foi assim que num determinado dia eu conheci aquele que seria o meu marido. Meus pais marcaram uma reunião com outra família da tribo de Judá, da casa de Calebe, e no dia aprazado eles vieram à nossa casa para uma refeição e ali eu conheci aquele que seria o meu marido. Depois de uma refeição de congraçamento, fomos apresentados e as intenções foram declaradas. Tudo foi aprovado e a data do enlace foi marcada. Como toda moça, enchi-me de emoção, pois constituiria uma família e teria filhos, herança do Senhor. O nome do rapaz era Nabal e não tive tempo para conhecê-lo, pois isso se daria somente depois do casamento. Mas pude perceber, mediante poucas informações da sua mãe, que ele era muito trabalhador, que tinha muita facilidade de multiplicar rebanhos e comercializar. Apenas isso ela disse acerca dele. No dia marcado casamos, e foi uma grande festa. Os familiares e toda a redondeza compareceram para as bodas, que duraram em torno de uma semana. Depois da festa, deixei a casa de meu pai e fui morar com Nabal, iniciando a nossa vida conjugal. Os primeiros dias não foram fáceis, pois Nabal era ríspido no falar, dedicado em demasia ao trabalho, com muitos planejamentos para multiplicar rebanhos, vendê-los e auferir lucros; Acordava muito cedo e ia dormir tarde e praticamente não vivia a vida comum do lar e nem me dava atenção. Lembrei-me da Palavra de Deus através do salmista quando disse: “Inútil vos será levantar cedo, dormir tarde, comer o pão que penosamente granjeaste, pois aos seus amados Ele o dá enquanto dormem” [Salmo 127.2]. Meu marido Nabal definitivamente não temia a Deus e, por isso, confiava muito no seu braço, na sua força. Praticamente não tínhamos momentos de devoção doméstica; ele não falava da Palavra de Deus, não me instruía, e eu percebia claramente que ele tinha um sofrível conhecimento de Deus e dos seus preceitos. Senti-me frustrada com o meu marido, pois entendi que ele não me guiaria pela Palavra de Deus, como um marido da aliança deveria fazer com a sua esposa e filhos. Senti-me só e o meu consolo foi o Senhor. Tudo quanto aprendi enquanto na casa dos meus pais valeram-me nessa hora de escassez espiritual, quando o meu governador não estava sendo um marido conforme os preceitos do Senhor. No entanto, procurava ser uma esposa excelente, sendo-lhe submissa, cuidando dele, ajudando-o a voltar-se para o Senhor. No começo falei muito acerca da lei do Senhor, mas ele me olvidava, até que me calei. A partir daí, procurei ganhá-lo sem palavras, somente mediante o meu testemunho como esposa fiel e temente a Deus.

Continua…
“Abigail – Uma Mulher Sensata – Parte 2
Abigail e Davi
Como exerci a sabedoria da Escritura e evitei uma tragédia – Certo dia se soube que uns homens estavam acampados perto de onde os nossos rebanhos pasciam, nas proximidades da nossa fazenda. Soubemos que se tratava de um valoroso soldado do nosso rei Saul, que havia deserdado das hostes de Israel porque o rei sentiu ciúmes dele porque ele ganhava fama rapidamente quando retornava das batalhas, em todas vencedor, e o povo o saudava e o engrandecia acima mesmo do rei. Mas o comentário geral era que se tratava de um soldado leal e que tinha o rei em alta conta, respeitando-o como o ungido do Senhor. O nome desse soldado era Davi. Então, tendo deserdado, esse soldado foi acompanhado por uma turba de homens desocupados e endividados, que encontraram nele um líder. Esses homens, então, estavam acampados bem perto onde os nossos empregados cuidavam dos rebanhos. Um dia, o líder deles – Davi –enviou alguns dos seus moços a pedir algum tipo de ajuda ao meu marido, qualquer coisa, a fim de serem ajudados na vida difícil que estavam levando na qualidade de fugitivos. Os moços vieram de forma humilde até a nossa fazenda e apresentaram a solicitação, mas foram duramente respondidos pelo meu marido, que mandou que os rapazes levassem um recado muito desaforado, mesmo os rapazes tendo dito na apresentação que não estavam ali cobrando nenhum direito, embora estivessem fazendo o bem aos rebanhos, respeitando os pastores, servindo de proteção para eles e para os rebanhos, mas nem assim meu marido os ouviu, despedindo-os de mãos vazias e ainda fazendo-os levar uma atrevida resposta. Eu mesma não vi a cena, mas fui informada rapidamente por um dos servos da fazenda, que me procurou e relatou como os rapazes vieram com humildade e falaram ao meu marido e como ele disparatou com eles. O meu empregado me fez um relato tão vívido e impressionante, que pude enxergar que a sabedoria divina estava nele, pois que também é filho de Abraão, tendo sido criado na instrução da Palavra de Deus, por isso da sabedoria que manifestou ao fazer a leitura correta de tudo quanto presenciou, dando inclusive possibilidades exatas do que aconteceria, caso não fosse tomada uma providência. Antes que pudesse agir, glorifiquei a Deus porque vi se cumprir no meu servo as palavras de que “a lei do Senhor é perfeita e dá sabedoria aos símplices” [Salmo 19.7], e também exultei no Senhor porque Ele oculta essas coisas dos sábios e entendidos e as revela aos pequeninos. Depois disso, e movida pelo alerta do meu empregado, e também sendo pressionada pela Palavra de Deus, que me ensinou a ter espírito conciliador, espírito bondoso, espírito ajudador, preparei rapidamente uma feira considerável, com a ajuda dos criados, carreguei os mulos e parti pressurosa com alguns criados, sem nada dizer ao meu marido. Nada disse a ele não por falta de submissão, mas porque se fosse dizer ele certamente me impediria, e, nesse caso eu não poderia ser impedida de agir, pois havia risco de vida no episódio. Lembrei-me das parteiras judias, Sifrá e Puá, que para preservar a vida dos recém-nascidos de Israel, quando sob o cativeiro egípcio, desobedeceram a Faraó a fim de livrarem da morte os pequeninos. Lembrei-me também de Raabe, a moradora de Jericó que protegeu os espias mandados por Moisés, escondendo-os dos que os procuravam para matá-los, e os encaminhou de volta ao seu porto-destino. Então, parti a toda pressa rumo a Davi e seus homens, a fim de evitar uma tragédia que certamente se abateria contra os homens da nossa fazenda, porque nesses casos de afronta, o costume do afrontado era matar todos os homens. A certa altura do caminho, encontrei Davi e seu bando vindo céleres na direção da nossa fazenda. Eu gelei, porque toda a nossa expectativa se mostrou verdadeira. Vi como a sabedoria de Deus, presente no meu servo, o conduziu a mim, e juntos lutamos para pacificar essa situação. Quando nos aproximamos de Davi, imediatamente eu desci do meu mulo e me inclinei diante dele, prostrando-me sobre o meu rosto até a terra. Aquela atitude minha foi um gesto de respeito, mas também de paz. Eu precisava mostrar rapidamente a disposição do meu coração, e a forma mais prática que encontrei foi prostrar-me e me inclinar até a terra, deixando clara a minha disposição de paz. Depois disso fui além: lancei-me aos seus pés e assumi qualquer culpa decorrente de uma mulher que se dirige a um homem sem ser chamada, algo que não poderia acontecer na nossa sociedade, por causa da obediência ao 5º mandamento da lei do Senhor. Como Davi não reprovou a minha iniciativa de falar a um homem sem ser chamada, então entendi que poderia prosseguir no meu argumento, que ele estaria pronto a me ouvir. Prossegui descrevendo o espírito louco do meu marido, e que em nada eu compactuava com a atitude dele em afrontar os moços que o procuraram. Eu disse também que não estava presente quando os rapazes chegaram para apresentar o pleito. Chamei a atenção de Davi para o fato de que a minha intervenção o impedia de derramar sangue e vingar-se pelas próprias mãos e classifiquei todos os seus inimigos como procedendo semelhantes ao meu marido, isto é, com loucura (disse isso porque o que ouvíamos acerca de Davi era que era um soldado leal e mesmo assim era vítima de ciúme, perseguição e tentativa de homicídio, o que se constituía numa tremenda injustiça). Ao falar, percebi que minhas palavras estavam produzindo os efeitos que a sabedoria promete produzir, isto é, estavam apaziguando o ânimo exaltado de Davi. Essa é a grande vantagem de falar segundo os oráculos de Deus, segundo a sabedoria que Ele nos ensina na sua Palavra. Um só argumento segundo a Palavra do Senhor vale mais do que milhares de preceitos humanos e sabedoria pessoal. Antes de concluir o meu argumento, apresentei a Davi e seus homens o presente que havia trazido para eles: comida, muita comida, farta e saborosa, com a qual eles poderiam saciar a fome e ainda sobraria para outras refeições. Terminei pedindo perdão pela minha transgressão – por ter dirigido a palavra a ele sem que ele a tenha dirigido primeiro a mim – e então pronunciei as palavras que normalmente são endereçadas aos ungidos do Senhor (pois ouvíamos que o Senhor havia rejeitado a Saul e ungido a Davi em seu lugar, segundo todas as palavras do nosso pai Samuel, o profeta): Disse a ele que o Senhor o protegeria dos inimigos, e que estes seriam arrojados para longe, e para isso usei todos os meus dons poéticos, aprendidos e desenvolvidos na minha juventude. Ainda lembrei a Davi que quando ele ascendesse à condição de príncipe do povo de Deus, o sangue do meu marido – caso ele o poupasse – não seria peso na sua consciência (por ter exercido a vingança pessoal, algo da exclusiva autoridade de Deus) ao longo do seu reinado. Depois que falei tudo isso, então Davi tomou a palavra e bendisse a Deus, reconhecendo que foi o Senhor que me enviou até ele, e bendisse a minha prudência e a minha pessoa, reconhecendo que a minha argumentação o impediu de cometer um crime contra Deus. Eu tenho plena consciência que nada fiz de mim mesmo, mas a Palavra de Deus em mim foi quem agiu dessa forma sábia, conduzindo as coisas pelo caminho da paz, desarmando fortalezas e estabelecendo a glória de Deus.
Minha viuvez e meu novo casamento – Tendo Davi recebido o presente das minhas mãos, e tendo ficado declarado que a paz havia prevalecido, montei no meu mulo e retornei à minha casa juntamente com os meus servos. Ao chegar em casa, Nabal estava em pleno banquete (a festa que fazíamos comumente quando da tosquia das ovelhas, pois significava a prosperidade da fazenda e a bênção do Senhor) e o banquete era ao estilo regalado, tudo do bom e do melhor. Como percebi que ele estava já dominado pelo vinho, nada lhe referi do acontecido (pois uma esposa nada pode ocultar do seu marido, principalmente num caso grave desse). Esperei, então, a festa terminar e Nabal dormir o sono dos embriagados. Mas, assim que ele acordou no dia seguinte, e ainda na cama, eu lhe contei tudo quanto acontecera, sem lhe encobrir qualquer detalhe. A reação dele foi uma profunda comoção, ficando completamente imóvel. Senti que a situação dele era grave e chamei depressa os criados e mandei buscar os médicos para diagnosticarem e cuidarem do meu marido. O amor da esposa pelo marido deve conduzi-la a agir para com ele da melhor maneira, tudo por causa do temor do Senhor, independente de quem ele seja, do seu caráter, da sua ignorância ou brutalidade. Tudo pode acabar, mas o amor jamais acaba. Os médicos vieram e disseram que a situação dele era muito grave. Eu me dediquei a ele ao máximo, cuidando dele e tudo fazendo para que ele se sentisse bem e fosse curado. Mas essa cura não veio e depois de dez dias o Senhor o tomou. Chorei meu marido e chorei pela minha viuvez. Mas nunca deixei de confiar em Deus, tendo nele o meu refúgio. Nos dias seguintes pude perceber na prática aquilo que sempre cantei no Salmo 146, que Deus ampara o órfão e a viúva, e isso me confortou o coração e me senti plenamente segura, mesmo na minha viuvez. Depois de um tempo passado, Deus providenciou-me um novo casamento. Estando eu em casa, recebi uns moços que me traziam uma proposta de casamento, mandada justamente por Davi. Eu sei que Deus me fez uma mulher formosa, porém, tenho absoluta certeza que Davi, sendo um homem de Deus, não se deixou encantar pela minha beleza, mas pela minha sensatez. O que me enfeitava não era a minha beleza, mas a minha prudência. Lembro-me que quando estive com ele, argumentando, e ao terminar, ele elogiou não a minha beleza, mas a minha prudência. Eu sempre aprendi da Palavra de Deus que os enfeites de uma mulher não são as jóias, os pendentes, as arrecadas, mas as boas obras de obediência aos preceitos do Senhor. A beleza passa e vã é a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada. Enquanto pensava na proposta, entendi que foi Deus quem deparou essa nova oportunidade para mim. Reuni minhas moças e juntas fomos ao encontro de Davi. Ao chegar, fui recebida por ele, que me tomou como esposa.
Às mulheres que viverão depois de mim, digo que não há tesouro maior do que ser instruída na lei do Senhor. As rendas que ela nos proporciona são bem maiores do que o fino ouro, mesmo o ouro depurado. Fui enriquecida desde a minha meninice e me tornei mais e mais rica no temor do Senhor, algo que me acompanhou por toda a vida e me ensinou a agir de conformidade com a vontade de Deus. Por tudo isso eu as encorajo a também temerem a Deus, procurando aprofundar-se na sua Palavra, a fim de manter a submissão ao pai, ao marido, às autoridades da igreja, pois somente desta forma é que tudo lhes irá bem, pois serão sempre louvadas e a glória do Senhor será estabelecida.
___________________
Pr edson azevedo


Fonte: 
https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=888765834494151&id=469797479724324&substory_index=0

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

8º mandamento: Ela é Fiel

Débora
Era uma dona-de-casa comum, mas foi escolhida para ser juíza. Foi a única mulher das escrituras sagradas a ocupar um cargo político com excelência. Ela se definia como "mãe de Israel e fazia de tudo para o bem da nação (Juízes 4:4-16).
Principais virtudes
Débora era bastante virtuosa: mãe de família, profeta, temente a Deus e líder militar. Traçou estratégias de batalha e conquistou muitas vitórias para Israel na época dos juízes. Foi a libertadora do povo hebreu em tempos de guerra contra os cananeus.
Características
Líder: ela não se intimidou por ser mulher e ganhou o respeito dos líderes de Israel.
Estrategista: Débora sempre buscava maneiras de combater os inimigos buscando inspiração junto ao Senhor e, por isso, tinha êxito em tudo que fazia.
Conselheira: era preocupada com as pessoas e sempre dava conselhos, discutindo e sugerindo soluções para quem estava com problemas.
Seja como Débora
Ela é a prova de que uma mulher pode ser profissional e dona-de-casa ao mesmo tempo. Para imitá-la, procure ser atenciosa e justa. Administre bem o seu tempo e não tome decisões sem antes planejar tudo direitinho.
Ester
Foi a rainha mais importante que Israel já teve. Judia e órfã, ela foi criada por um parente. Quando se casou com o rei Assuero, Ester fez de tudo pelo povo judeu. Tem um livro da Bíblia só dela.
Principais virtudes
Ester descobriu um plano para exterminar todos os judeus. Ela se preparou espiritualmente com um jejum de três dias e orações. Ao final do período, Ester revelou ao rei que era judia e conseguiu salvar o povo.
Características
Sábia: diante de uma situação difícil ela não se desesperava: buscava soluções em Deus para tomar decisões.
Destemida: não ficou com medo de agir para salvar os judeus. Era ousada e inteligente, e tinha uma fé admirável.
Humilde: em vez de se mostrar a dona da razão, ela procurava respeitar a opinião dos outros.
Seja como Ester
Não aja por impulso, procure sempre orar antes de tomar as suas decisões. Ester também era muito atenciosa.
Sara
Esposa de Abraão, o primeiro dos patriarcas bíblicos. Deus prometeu a Abraão um filho que daria origem a todo o povo de Israel. Sara foi a mulher escolhida para dar à luz essa criança. Ela era chamada de mãe de multidões e vista como o modelo ideal de mulher casada.
Principais virtudes
Sara era estéril e mostrou ter muita fé quando não desistiu de ter o filho que o Senhor lhe prometeu. Ela perseverou na crença e, aos 90 anos, deu à luz Isaque, que era o herdeiro da promessa feita a Abraão. Por isso, ela é a única mulher mencionada entre os heróis da fé (Hebreus 11:11), pessoas que exercem influência até hoje, como Moisés e Davi.
Características
Dedicada: o filho e o marido dela podiam sempre contar com ela. Ela estava ao lado deles em qualquer situação. Acompanhava Abraão em todas as viagens.
Fiel a Deus: Sara não desistia fácil das promessas de Deus e procurava fazer as vontades dele.
Alegre: ela recebia as pessoas em casa com felicidade e as servia com prazer.
Seja como Sara
Não desista nunca dos seus sonhos. Seja confiante em Deus e nas promessas dEle. Coloque sua família em primeiro lugar, seja companheira e procure ter os mesmos objetivos que o seu marido.
Rute
Ela era casada com o hebreu Malom e se dava muito bem com a sogra, Noemi. Quando ficou viúva, se apegou muito à sogra, a ponto de acompanhá-la até Belém. Lá, se casou com Boaz e reconstruiu a própria vida. Jesus é um dos descendentes de Rute.
Principais virtudes
A amizade, a fidelidade, a dedicação e o desprendimento. Fez um dos mais lindos votos de amizade à sogra. Onde quer que pousares, ali pousarei eu. O teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus (Rute 1:16).
Características
Amiga Tratava bem a todos e era muito carinhosa.
Responsável Trabalhava em campos de cevada e nunca reclamava do trabalho, fazendo o melhor.
Confiável Procurava ser honesta e íntegra nos afazeres diários. Tinha uma boa reputação e chamava a atenção dos chefes por isso.
Seja como Rute
Ela era uma mulher muito doce e competente. Para agir como Rute, seja íntegra em tudo que fizer: trabalho, casamento e família.


Fonte: https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=888375077866560&id=469797479724324&substory_index=0